Pezão diz que geração de emprego é fundamental para reduzir violência

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, afirmou, na manhã desta terça-feira (20), durante o lançamento da fase final de montagem do submarino Riachuelo, em Itaguaí, que a geração de emprego é fundamental para a segurança pública no estado.

O governador ainda agradeceu a ajuda do governo federal na segurança para “vencer a chaga” da questão da droga.

“Aqui foi uma região que cresceu muito. Foi uma região que sofreu com o desemprego e hoje a gente começa a retomar, graças ao trabalho de [Henrique] Meirelles e sua equipe econômica. Precisamos muito de segurança, mas precisamos muito de emprego. Só ganhamos a guerra da segurança pública com uma carteira de trabalho assinada.”

O governador do RJ, Luiz Fernando Pezão, ao lado do presidente Michel Temer em cerimônia na Base de Itaguaí nesta terça-feira (20) (Foto: Beto Barata/Presidência da República) O governador do RJ, Luiz Fernando Pezão, ao lado do presidente Michel Temer em cerimônia na Base de Itaguaí nesta terça-feira (20) (Foto: Beto Barata/Presidência da República)
O governador do RJ, Luiz Fernando Pezão, ao lado do presidente Michel Temer em cerimônia na Base de Itaguaí nesta terça-feira (20) (Foto: Beto Barata/Presidência da República)
Pezão participou, ao lado do presidente Michel Temer e do ministro da Defesa, Raul Jungmann, do evento de lançamento da fase final do primeiro submarino do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), lançado em 2008 no governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Para Jungmann, a construção do submarino Riachuelo representa “soberania”.

“O Brasil tem 7,4 mil quilômetros de costa, além da Amazônia Azul, e reivindicamos mais 1 milhão de km2. Mas é preciso lembrar que 90% da nossa reserva de petróleo se encontra no mar e é preciso, sim, ter a capacidade de defender e de dissuasão. Essa ferramenta é essencial para assegurar a paz”, disse o ministro, que definiu o Brasil como um “provedor da paz”.

Também participaram do evento o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Eduardo Bacellar. O PROSUB prevê ainda a construção de um submarino de propulsão nuclear e outros três submarinos convencionais. O Riachuelo deve ser lançado ao mar no final de 2018.

Submarino de propulsão nuclear
Segundo o almirante Bento Costa Lima, diretor de desenvolvimento da corporação, apesar dos atrasos, o Brasil deve ter um submarino de propulsão nuclear até o final da próxima década.

“Partimos do zero. Esse trabalho, pela complexidade, leva a atrasos plenamente aceitáveis. O atraso hoje é de 2 anos. A perspectiva é construirmos até 2023 os submarinos convencionais e termos até o final da década de 20 o submarino de propulsão nuclear.”

O comandante da Marinha Eduardo Bacellar Leal Ferreira justificou que o Brasil precisa atuar para reforçar a defesa de suas costas e do pré-sal e negou que tenha havido irregularidades. As investigações ocorrem porque algumas das obras foram realizadas pela Odebrecht.

“A execução do projeto está sendo muito monitorada pelo TCU. Da Marinha não houve nenhum problema, e nada indica que tenhamos cometido algum tipo de irregularidades, depois que a Marinha passou a conduzir o projeto”, afirmou o comandante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s